Estudos

O Uso dos Dízimos

Verso Áureo: “ Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que ter oubamos? Nos dízimos e nas ofertas.” (Malaquias 3:8)

1.      Quem é o dono de tudo?

Salmos 24:1

Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam.

Tudo o que temos e somos pertence a Deus, o nosso Criador. (Veja também: Salmos 50:10-11; Deuteronômio 8:17-18; Ageu 2:8)

2.      Que parte Deus reservou para Si?

Levítico 27:30

Também todas as dízimas da terra, tanto dos cereais do campo como dos frutos das árvores, são do SENHOR; santas são ao SENHOR.

De toda a nossa renda, Deus separou uma parte para si. Deu-nos  tudo, mas nos pede somente que devolvamos uma parte para Ele.

3. O que significa a palavra dízimo?

Segundo o dicionário, é uma “Décima parte”, ou “contribuição avaliada na décima parte de um rendimento.”

4.      Para que é o dízimo e quem o recebe?

Números 18:21

Aos filhos de Levi dei todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que prestam, serviço da tenda da congregação.

De todas as tribos de Israel, a tribo de Levi era a única que não possuía herança na terra de Canaã. Da tribo de Levi procediam os sacerdotes. Essa tribo foi escolhida por Deus para trabalhavam exclusivamente para Ele.

5.      Qual era o trabalho que os levitas e sacerdotes faziam além do serviço do templo?

II Crônicas 17:8-9

E, com eles, os levitas Semaías, Netanias, Zebadias, Asael, Semiramote, Jônatas, Adonias, Tobias e Tobe-Adonias; e, com estes levitas, os sacerdotes Elisama e Jeorão. Ensinaram em Judá, tendo consigo o Livro da Lei do SENHOR; percorriam todas as cidades de Judá e ensinavam ao povo.

Era trabalho dos levitas e sacerdotes irem de cidade em cidade ensinando o povo a guardar a Lei de Deus. (Veja também: Malaquias 2:7)

6. Qual é o trabalho mais importante considerado por Deus?

Marcos 16:15-16

E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado.

A maior obra que um homem pode realizar pela graça de Deus é trabalhar inteiramente para Ele.

7.      O que fizeram os apóstolos?

Lucas 5:11

E, arrastando eles os barcos sobre a praia, deixando tudo, o seguiram.

Os discípulos, ao aceitarem o chamado de Deus, deixaram sua herança, suas posses e sua vida secular para se dedicar exclusivamente ao Senhor.

8.      De que os apóstolos viveram, como se sustentaram?

I Coríntios 9:13-14

Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados do próprio templo se alimentam? E quem serve ao altar do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho que vivam do evangelho.

Aqueles que se dedicam por completo para a obra do Senhor, devem também receber um salário por seu trabalho para que possam sustentarse.

9.      O apóstolo Paulo recebia um salário para seu sustento enquanto pregava a palavra?

II Coríntios 11:8

Despojei outras igrejas, recebendo salário, para vos poder servir.

Assim como os dízimos sustentavam os sacerdotes e levitas no passado, que não possuíam herança, assim hoje, na ordem do sacerdócio de Cristo, aqueles que se dedicam exclusivamente para Sua obra são sacerdotes (I Pedro 2:9) e devem ser sustentados com os dízimos.

10. Aprovou Jesus o sistema do dízimo quando estava na Terra?

Mateus 23:23

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devieis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!

Jesus disse ser nosso dever devolver o dízimo sem esquecer-se dos preceitos mais importantes da Lei.

11.  O que fez Abraão, o pai dos crentes”?

Hebreus 7:1-2

Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou, para o qual também Abraão separou o dízimo de tudo (primeiramente se interpreta rei de justiça, depois também é rei de Salém, ou seja, rei de paz;

Abraão devolveu os dízimos de tudo quanto possuía.

12.  Qual a promessa para os que são fiéis no dízimo?

Malaquias 3:10-12;

Provérbios 3:9-10

Trazei todos os dízimos à casa do SENHOR, para que haja mantimento na  minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós benção sem medida. Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos. Todas as nações vos chamarão felizes, porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos.

Honra ao Senhor com os teus bens e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão os teus celeiros abundantemente, e transbordarão de mosto os teus lagares.

Devemos levar nossos dízimos onde o “tesouro” da Palavra de Deus tem sido pregado. Ao sermos fiéis, receberemos “bênçãos sem medida”.

13.  Quando retemos os dízimos e as ofertas, a Bíblia nos afirma que estamos fazendo o que para com Deus?

Malaquias 3:8-9;

Ageu 1:6

Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, vós, a nação toda.

Reter os dízimos e ofertas, e usá-los de maneira pessoal é roubar a Deus.

14.  O que podemos dar além dos dízimos?

Salmos 96:8

Tributai ao SENHOR a glória devida ao seu nome; trazei oferendas e entrai nos seus átrios.

Além dos dízimos, no qual devolvemos o que não é nosso para o Seu verdadeiro dono, nós também devemos contribuir com ofertas voluntárias para a obra do Senhor.

15.  Como Deus deseja que sejam nossas ofertas?

Deuteronômio 16:17;

II Coríntios 9:7

Cada um oferecerá na proporção em que possa dar, segundo a bênção que o SENHOR, seu Deus, lhe houver concedido.

Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria.

Devemos contribuir com as ofertas de maneira voluntária, com alegria e segundo aquilo que temos sido abençoados. Quanto maior a benção, maior deve ser nossa oferta de gratidão ao Senhor.

_______________________________________________________________________________

A Obra do Senhor Deve Ser Mantida

Passam para a eternidade os últimos anos de graça. O grande dia do Senhor está-nos iminente. Toda energia que possuímos deve ser agora usada para despertar os que estão mortos em ofensas e pecados. …

É tempo de darmos ouvidos aos ensinos da Palavra de Deus. Todas as suas exigências são dadas para o nosso bem. Ele conclama os que estão sob a bandeira ensangüentada do Príncipe Emanuel a fim de que dêem evidências de que reconhecem sua dependência de Deus e deverem a Ele dar contas, devolvendo-Lhes certa parte daquilo que Ele lhes confiou. Deve esse dinheiro ser usado no avanço da obra que deve ser feita para cumprir a comissão dada por Cristo a Seus discípulos. …

O povo de Deus é chamado para uma obra que requer dinheiro e consagração. As obrigações que sobre nós repousam trazem-nos a responsabilidade de trabalhar para Deus até o máximo de nossa capacidade. Exige Ele serviço não dividido, a inteira devoção do coração, alma, espírito e forças.

Há apenas dois lugares no Universo onde poderemos colocar nossos tesouros – no celeiro de Deus ou no de Satanás; e tudo o que não é dedicado ao serviço de Deus é contado do lado de Satanás, e vai fortalecer sua causa. Determinou o Senhor que os meios a nós confiados sejam usados na edificação de Seu reino. Seus dons são confiados aos Seus mordomos para que com eles negociem cuidadosamente, e Lhe devolvam os rendimentos na salvação de almas. Tais almas, por seu turno, se tornarão mordomos de confiança, cooperando com Cristo para promover os interesses da causa de Deus.

Recebendo Para Partilhar

Onde quer que haja vida na igreja, há aumento e crescimento. Há, também, constante intercâmbio, tomar e dar, receber e devolver ao Senhor o que Lhe pertence. A cada crente genuíno comunica Deus luz e bênção, e estas reparte ele com os outros, na obra que faz para o Senhor. Ao dar do que recebe, aumenta sua capacidade de receber. É aberto o caminho para a obtenção de novos suprimentos de graça e de verdade.  Tem mais clara luz e multiplicado conhecimento. Desse dar e receber depende a vida e o crescimento da igreja. Aquele que recebe mas nunca dá, logo deixa de receber. Se quisermos receber novas bênçãos, devemos comunicar os bens do Céu.

Não Se propõe o Senhor a vir a este mundo e derramar ouro e prata para o avanço de Sua obra. Supre os homens com recursos, para que pelas suas dádivas e ofertas conservem Sua obra em avanço. O propósito, acima de todos os outros, para o qual devem os dons de Deus ser usados, é a manutenção dos obreiros no campo da seara. E se os homens se tornarem condutos pelos quais possam as bênçãos dos Céus fluir para os outros, o Senhor conservará suprido tal canal. Não é devolver ao Senhor o que é Seu que torna o homem pobre; reter é que leva à pobreza. …

Um Tempo Para Economia e Sacrifício

Apela Deus a Seu povo para que desperte quanto às suas responsabilidades. Um dilúvio de luz é irradiado de Sua Palavra, e devem ser atendidos os deveres negligenciados. Quando eles forem atendidos,

ao dar ao Senhor o que Lhe pertence, nos dízimos e ofertas, abrir-se-á o caminho para o mundo ouvir a mensagem que o Senhor determina que ouça.

Tivesse nosso povo o amor de Deus no coração, estivesse cada membro da igreja imbuído do espírito de sacrifício próprio, e não haveria falta de fundos para as missões nacionais e estrangeiras; nossos recursos se multiplicariam; abrir-se-iam mil portas de utilidade e nós seríamos convidados a entrar. Houvesse sido executado o propósito de Deus quanto a dar a mensagem de misericórdia ao mundo, Cristo já teria vindo e os santos teriam recebido suas boas-vindas à cidade de Deus.

Se já houve um tempo em que se deveriam fazer sacrifícios, esse tempo é agora. Meus irmãos e irmãs, praticai a economia em vossos lares. Lançai fora os ídolos que tendes colocado adiante de Deus. Abandonai vossos prazeres egoístas. Eu vos rogo, não gasteis os meios em embelezar as vossas casas; pois vosso dinheiro pertence a Deus, e a Ele deveis prestar contas do uso que lhe dais. Não useis o dinheiro do Senhor para satisfazer os caprichos de vossos filhos. Ensinai-lhes que Deus tem reivindicação sobre tudo o que possuem, e que coisa alguma pode jamais cancelar esse direito.

O dinheiro é tesouro necessário. Não o dissipeis com os que dele não necessitam. Alguém necessita de vossas dádivas voluntárias. Há os que, no mundo, estão famintos, morrendo de inanição. Podeis dizer: “Não posso alimentar a todos.” Mas, praticando as lições de economia de Cristo, podereis alimentar a um. “Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca.” João 6:12. Estas palavras foram pronunciadas por Aquele cujo poder operou um milagre para suprir as necessidades de uma multidão faminta.

Caso tenhais hábitos extravagantes, afastai-os imediatamente de vossa vida. A não ser que o façais, estareis falidos para a eternidade. Hábitos de economia, operosidade e sobriedade, são melhor quinhão para os vossos filhos que um rico dote.

Somos peregrinos e estrangeiros na Terra. Não despendamos os nossos meios em satisfazer desejos que Deus quer que reprimamos. Representemos devidamente nossa fé reprimindo os nossos desejos. Levantem-se os membros de nossas igrejas como um só homem, e trabalhem fervorosamente, como quem anda à plena luz da verdade para estes últimos dias. …

De que vale indizível riqueza, se esta é acumulada em custosas mansões ou em ações bancárias? Que pesa isso na balança, comparado com a salvação das almas por quem Cristo, o Filho do infinito Deus, morreu?

(Fonte: www.ellenwhitebooks.com – Review and Herald, 24 de dezembro de 1903)

Um Privilégio e uma Responsabilidade

Foram-nos dadas, para proclamar ao mundo, as mais solenes verdades já confiadas aos mortais. Nosso trabalho é a proclamação dessas verdades. Deve o mundo ser advertido, e o povo de Deus precisa

ser fiel ao depósito que lhe foi confiado. Não se deve empenhar em especulações, nem deve entrar em empreendimentos comerciais com os descrentes; pois isso os impediria de fazer a obra que lhes foi confiada.

Jesus diz a Seu povo: “Vós sois a luz do mundo.” (Mat. 5:14). Não é questão de pequena importância que os conselhos, propósitos e planos de Deus nos tenham sido tão claramente revelados. É um maravilhoso privilégio poder compreender a vontade de Deus, segundo é revelada na segura palavra da profecia. Isso nos impõe pesada responsabilidade.  Deus espera que transmitamos aos outros os conhecimentos que nos tem dado. É Seu propósito que os instrumentos divinos e humanos se unam na proclamação da mensagem de advertência.

(Fonte: www.ellenwhitebooks.com – Review and Herald, 28 de julho de 1904)

Sustento das Missões Estrangeiras

Devem as simpatias do povo de Deus serem despertadas em cada igreja de toda a nossa terra, devendo haver ação desinteressada no sentido de atender às necessidades de diferentes campos missionários. Devem os homens demonstrar seu interesse na causa de Deus pelo dar dos seus bens. Se se manifestasse tal interesse entre os membros da família de Cristo, existiriam e cresceriam em força os laços de fraternidade cristã.

Essa obra de trazer fielmente todos os dízimos, para que haja mantimento na casa de Deus, supriria os que labutam tanto nos campos nacionais como nos estrangeiros. Se bem que livros e publicações sobre a verdade presente estejam espalhando os seus tesouros de conhecimento a todas as partes do mundo, assim mesmo ainda devem ser estabelecidos postos missionários em vários pontos. O pregador vivo deve proclamar as palavras de vida e de salvação. Há campos missionários abertos que convidam os obreiros a entrar. A seara está madura, e de todas as partes do mundo se ouve o veemente clamor macedônico por obreiros.

(Fonte: www.ellenwhitebooks.com – Review and Herald, 19 de fevereiro de 1889)