video bokep indonesia indobokep videobokeper videongentot videomesum entotin bokepindonesia videopornoindonesia bokeper bokepsmu filmbokepindonesia filmbokep indobokep bokep indonesia videobokepindo informasiku ngeliker cipoker sukapoker indoagenqq mainjudi mejajudi agenqq
Estudos

2. Sai Dela Povo Meu – Os Poderes do Tempo Final

Ao estudarmos este capitulo veremos a descrição da existência de dois poderes: um representado por uma besta semelhante a um leopardo e outro por uma besta semelhante a um cordeiro.

Ambos se apoiarão, para formar um movimento de união dos povos, impondo leis e decretos em busca de paz.

TRANSCRIÇÃO DO CAPÍTULO 13 DO APOCALIPSE:

Título: A besta que emerge do mar

1- “Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia.

2- A besta que vi era semelhante a leopardo, com pés como de urso e boca como de leão. E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade.

3- Então, vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou, seguindo a besta;

4- E adoraram o dragão porque deu a sua autoridade à besta; também adoraram a besta , dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem pode pelejar contra ela?

5- Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias e autoridade para agir quarenta e dois meses;

6 – E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.

7 – Foi-lhe dado, também, que pelejasse contra os santos e os vencesse. Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação;

8 – E adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.

9 – Se alguém tem ouvidos, ouça.

10 -Se alguém leva para cativeiro, para cativeiro vai. Se alguém matar à espada, necessário é que seja morto à espada. Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos. A besta que emerge da terra

11 – Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão.

12 – Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença.Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada.

13 – Também opera grandes sinais, de maneira que até fogo do céu faz descer à terra, diante dos homens.

14 – Seduz os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado a executar diante da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta, àquela que, ferida à espada, sobreviveu:

15 – e lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta.

16 – A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte,

17 – para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome.

18 – Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Ora, esse número é seiscentos e sessenta e seis”.

Passemos para a análise verso a verso:

Verso 1: “Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia.”

Neste verso percebemos que é usado o termo besta, ao invés de animal, para representar um reino, ou poder. Devemos nos lembrar que besta é um animal feroz, voraz. Assim sendo, concluímos que esse reino, ou poder, é opressor.

O apóstolo João vê surgir de uma multidão um poder opressor, e que também possui sete cabeças e dez chifres, que aqui no capítulo 13, assim como no capítulo 12, não nos é revelado o que as cabeças e os chifres representam. Como afirmamos anteriormente, deixaremos para decifrá-las ao estudarmos o capítulo 17, onde nos é dada a revelação dos seus significados.

Verso 2: “A besta que vi era semelhante ao leopardo, com pés como de urso e boca como de leão. E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade.”

Ao estudarmos o capítulo 7 de Daniel, pedimos para ser bem fixado em sua mente o verso 12, aquele que nos relata que aos três animais anteriores (leopardo, urso e leão) foi dada prolongação de vida por um prazo e um tempo.

Daniel 7:12 – “Quanto aos outros animais, foi-lhes tirado o domínio; todavia, foi-lhes dada prolongação de vida por um prazo e um tempo”. É aqui que se encaixa essa afirmação, como veremos a seguir:

Aproximadamente 700 anos depois de Daniel, o apóstolo João vê, nesta visão, formar-se de uma multidão, um poder opressor com semelhanças ao leopardo, ao urso e ao leão. Agora vamos compreender como se deu esta prolongação de vida. A dedução é simples e lógica:

1º – “…semelhante ao leopardo.” Em Daniel 7, o leopardo representa o império grego e, pela história, temos conhecimento da grande influência da cultura grega sobre os povos e reinos que se formaram após o seu domínio.

Note o que escreve o historiador J.M. Roberts no livro: “O livro de Ouro da História do Mundo”, pág.525, no capítulo “Mudanças e Continuidade”: “Assim, por volta de 500 d.C. a história da antiga civilização não terminou, apesar do que acontecera ao Império Romano. Séculos antes, um poeta romano observou a respeito de uma das conquistas Romanas: a Grécia cativa tornou cativo o seu selvagem, captor.”

O que o historiador quer afirmar é justamente o que Deus previu em profecia: que a cultura das antigas civilizações se manteria viva, apesar do que aconteceria ao império romano. No ano 500 d.C. o império já havia sido desfeito pelas nações bárbaras, mas a forte influência da cultura grega permanecia e essa cultura sobrevive até hoje.

Os gregos eram idólatras. Homero, a quem os gregos chamam de “O Poeta”, descreve em seus poemas a miscelânea de mitos, idéias e superstições por eles cultivados. Tinham as suas divindades, como: Zeus, Ares, Afrodite, Poseidon, Atena, Apolo e inumeráveis outros deuses. Cada cidade grega possuía um deus que a representava.

A verdadeira igreja cristã, seduzida pela prosperidade temporal, honra mundana e pelo poder, deixou-se introduzir, por idólatras que estavam sendo evangelizados, a adoração a ídolos, mudando o seu objeto de culto em imagens de santos. Assim como na Grécia Antiga, nos países católicos existe para cada cidade um santo padroeiro.

2º – ‘…com pés como de urso.” Os persas representados profeticamente pelo urso, tinham por religião o Zoroastrismo. Acreditavam que a alma de quem praticou o bem, ao ascender ao céu, passava por um portal estreito de onde era levada por uma bela mulher ao paraíso. As almas que não conseguiam passar pelo portal eram levadas por uma bruxa ao purgatório, e após algum tempo eram introduzidas no paraíso. O sacrifício era o meio usado na salvação dessas almas penadas.

A doutrina católica da existência de um purgatório não tem base na Bíblia, ela tem sua origem no Zoroastrismo dos persas.

No já citado compêndio do catecismo da Igreja Católica a questão de número 210, página 71, diz:

“O que é purgatório?”

“ Purgatório é o estado dos que morrem na amizade de Deus, mas, embora certos de sua salvação eterna, têm ainda necessidade de purificação para entrar na bem-aventurança celeste.”

Questão 211:

“Como podemos ajudar a purificação das almas do purgatório? ”

“Em virtude da comunhão dos santos, os fiéis ainda peregrinos nesta terra podem ajudar as almas do purgatório, oferecendo por elas orações de sufrágio, em particular o Sacrifício eucarístico, mas também esmolas, indulgências e obras de penitência.”

Como meio de enriquecimento, essa doutrina foi usada no início para extorquir dinheiro de famílias enlutadas.

3º – “…e boca como de leão.” O leão representa os babilônios, que também eram um povo idólatra. Adoravam a Marduk como deus principal.

A maior característica de Babilônia era a arrogância e o orgulho dos seus reis. Daniel 3:30 – “Falou o rei(Nabucodonosor) e disse:Não é esta a grande babilônia que eu edifiquei para a casa real com o meu grandioso poder e para a glória da minha majestade?”

Satanás sutilmente e de maneira quase imperceptível introduziu os costumes do paganismo na igreja cristã.

A ostentação, a pompa, a criação de um trono, elevando um homem a rei, chefe de estado e de igreja, atribuindo-se infalibilidade, aceitando adoração, não deixa dúvidas de que esse poder, semelhante a leopardo, urso e leão, é o papado.

O verso ainda diz que é Satanás quem lhe confere o poder, o trono e a grande autoridade que possui: “…E deu-lhe o dragão o seu poder, o seu trono e grande autoridade.”

A vida dos três animais de Daniel capítulo 7 (leopardo, urso e leão) tem sido prolongada pela introdução, nas doutrinas da Igreja Católica, de crenças das religiões dos gregos, persas e babilônicos.

Daniel diz que essa prolongação se dará por um prazo e um tempo.

Deus está dando um prazo até que se cumpram todas as profecias. Resta muito pouco tempo, pois quase todas já se cumpriram.

Romanos 9:28 – “Porque o Senhor cumprirá a sua palavra sobre a terra, cabalmente e em breve.”

Com a volta de Jesus com glória e alarido, em que todos os habitantes da terra verão, findará essa miscelânea de crenças oriundas desses reinos antigos e que perduram até hoje.

Verso 3: “Então, vi uma de suas cabeças como golpeada de morte, mas essa ferida mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou, seguindo a besta.”

Os 1260 anos de supremacia papal tiveram o seu fim em 15 de fevereiro de 1798, quando, por ordem de Napoleão, o general Alexander Berthier confiscou os territórios da igreja e prendeu o papa Pio VI, que morreu dezoito meses depois, em 29 de agosto de 1799 na fortaleza de Valença.

O papa Pio VI representa essa “cabeça como golpeada de morte”. O golpe foi no poder político, porém após pouco mais de um século, em 1929, no Tratado de Latrão celebrado entre o papa Pio XI e Benito Mussolini,

então governante da Itália, o território onde se encontra A Santa Sé Católica, uma área de44 hectaresna colina do Vaticano dentro da cidade de Roma, foi devolvida ao papado. A partir de então os papas passaram a ter novamente soberania sobre um território. Voltaram a possuir o título de rei, pois o país Vaticano é oficialmente uma Monarquia Teocrática.

São novamente soberanos do menor reino em área, mas o maior em súditos. Súditos que hoje, mais do que nunca, se maravilham com os seus reis. Começa a ser curada a ferida mortal!

Verso 4: “e adoraram o dragão porque deu sua autoridade à besta, dizendo: Quem é semelhante a besta? Quem pode guerrear contra ela?.”

Quem se sujeitar a este poder está se sujeitando a Satanás, porque é ele quem deu o seu poder, o seu trono e grande autoridade ao papado. E estará adorando o papa quem disser: Quem é semelhante ao papado? Quem se atreve a agir contra ele?

Verso 5: “Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias e autoridade para agir quarenta e dois meses.”

Altivez, soberba, orgulho, insolência, atrevimento, são sinônimos de arrogância.

Vejamos o que a Bíblia define como sendo blasfêmia:

São Lucas 5: 20-21 – “Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Homem, estão perdoados os teus pecados. E os escribas e fariseus arrazoavam,dizendo: Quem é este que blasfema?”

São João 10:33-”Responderam-lhe os judeus: Não é por obra boa que te apedrejamos, e sim por causa da blasfêmia, pois, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo.”

Outorgar-se o poder de perdoar pecados e se colocar no lugar de Deus é blasfêmia.

“… e autoridade para agir quarenta e dois meses.”

Satanás deu ao papado o poder de proferir arrogâncias e blasfêmias e também o poder de perseguir(agir) por quarenta e dois meses, ou seja: 42 x 30 = 1260 dias proféticos, que são 1260 anos literais. O mesmo período já descrito nos capítulos anteriores. (Devemos considerar o mês com 30 dias pois é assim que se dá no calendário judeu).

Verso 6: “E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.”

Jesus falou a seus discípulos em São Mateus 23:9 – “A ninguém sobre a terra chameis vosso pai; porque só um é vosso pai, aquele que está nos céus.” Intitulando-se papa (pai) se fazem Deus a si mesmos, blasfemam. Dizendo-se infalíveis, estão difamando o nome de Deus.

“… e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.”

Enchendo a igreja de santos intercessores, fazendo imagens de quem imaginam estar no céu, estão difamando o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu.

Ignoram o que está escrito em I Timóteo 2:5 – “Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus homem.”

Verso 7: “Foi-lhe dado também, que guerreasse contra os santos e os vencesse. Deu-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo,

língua e nação;”

Satanás deu poder ao papado para guerrear contra os santos e, muitos depuseram as suas vidas. Milhões morreram na Idade Média. Deu também ao papado autoridade sobre povos e nações.

Verso 8: “e adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.”

Preste atenção para o que está escrito neste verso: Aqueles que desejam ter o seu nome escrito no livro da vida do Cordeiro, deixem de adorar esse poder!

Verso 9: “Se alguém tem ouvidos, ouça.”

Este verso de uma maneira incisiva nos alerta, ouça:

Verso 10: “Se alguém leva para cativeiro, para o cativeiro vai. Se alguém matar a espada, necessário é que seja morto à espada. Aqui está a perseverança e a fidelidade dos santos.”

Este é o veredicto de Deus: cativeiro por cativeiro, espada por espada. Todos receberão o castigo na medida dos seus atos .

Felizes os que possuem a perseverança e a fidelidade nas palavras de Jesus e que por Ele são santificados.

Nestes primeiros dez versos Deus nos transmite, de uma maneira bem clara, as características e o modo de atuar de um poder, que ao analisarmos juntamente com o que as profecias de Daniel revelam, nos dão a certeza de que esta besta semelhante ao leopardo, com pés de urso e boca de leão, representa o papado. Deus deixa claro de que não o perdoará. O seu fim será a condenação.

Verso 11: “Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres parecendo cordeiro, mas falava como dragão.”

Os quatro animais do capítulo 7 de Daniel e a besta semelhante a leopardo que acabamos de analisar emergem do mar, isto é, são reinos e poderes que se formaram de povos e multidões, já que águas, como vimos, são povos. Agora nos deparamos com um animal que emerge da terra. Terra, neste contexto, significa justamente o inverso de mar, ou seja, região desabitada.

Em 1490, com o descobrimento da América, se formou uma nação sobre um território quase desabitado. Uma nação parecendo um cordeiro, cujos princípios foram estabelecidos sobre a liberdade religiosa e a liberdade de expressão.

Possui dois chifres de cordeiro, que representam os dois poderes internos dominantes: o republicanismo e a democracia.

Mas o profeta João vê que este animal falava como dragão, isto é, em dado momento esse reino passará a agir sob a autoridade de Satanás.

Verso 12: “Exerce toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada.”

Ao analisarmos o verso 3 deste capítulo, vimos que o poder representado pela besta semelhante a leopardo, a primeira besta, havia sofrido um golpe como de morte em 1798, mas que em 1929 o papado recuperou o seu território e essa ferida começou a ser curada. É nos revelado então que, depois que a ferida mortal é curada, em algum momento, os Estados Unidos exercerá toda a autoridade do papado na sua presença, e fará com que todos os habitantes da terra se curvem ante o poder papal.

Verso 13: “Também opera grandes sinais, de maneira que até fogo do céu faz descer à terra, diante dos homens.”

Este verso reforça a idéia de que a nação representada pelo cordeiro com dois chifres seja, realmente, os Estados Unidos. Ela foi a única nação a lançar duas bombas atômicas sobre habitantes. As bombas atômicas explodiram a500 metrosde altitude, lançando uma bola de fogo sobre os homens! Esta nação continuará fazendo grandes sinais ainda!

Verso 14: “Seduz os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado executar diante da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta, àquela que, ferida à espada, sobreviveu;”

Os Estados Unidos, com o seu impressionante poderio bélico-econômico, e como nação hegemônica do momento, seduzirá outras nações a fazerem uma união do Estado com a Igreja, o que seria uma imagem à besta (papado), com o intuito de impor à força uma paz mundial.

Verso 15: “e lhe foi dado comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta.”

O papa é ao mesmo tempo chefe da igreja e chefe de estado, e quando nos Estados Unidos a igreja se unir ao estado restringindo a liberdade religiosa, será formado um poder igual ao poder papal e, dando-se as mãos, será dado fôlego, isto é, poder a esse ecumenismo, que deseja a união de todas as crenças, seitas e religiões da terra.

Uma vez formada essa união universal, o ecumenismo, é ela que falará, e ainda mais, “…fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta.”

Verso 16: “A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte.”

Essa união de todos os credos sob comando papal e o povo dos principais governos, com a intenção de instituir o milênio de paz universal acreditando ser o único meio de obtê-la, faz com que a todos seja dada “certa marca”, um sinal.

“…sobre a mão direita.” Mão direita tem como significado o trabalho. Nas leis do trabalho será imposta a obrigatoriedade da guarda do domingo.

“…ou sobre a fronte.” Na fronte é onde se localiza a mente. As pessoas serão mentalmente convencidas da necessidade da guarda do domingo como meio de agradar a Deus.

Existirá nesse momento duas classes de pessoas, “…os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus,” e a classe dos que adoram a imagem da besta.” O anjo, ao dar o significado do chifre que tinha olhos e uma boca que falava com insolência a Daniel, disse que era um poder que cuidaria, entre outras coisas, em mudar os tempos e a lei. Daniel 7:25 – “…magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e a lei.”

Deus diz que o seu sinal é o Sábado – Êxodo 31:13 – “Tu, pois, falarás aos filhos de Israel e lhes dirás: Certamente, guardareis os meus sábados pois é sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor, que vos santifica.” Para entendermos o sinal da besta, basta entendermos o sinal de Deus. Como está claro que o sinal de Deus é um dia de guarda, por conseqüência, o da besta também o é.

O papado exaltou-se acima de Deus ao mudar a lei, passando a ser o Domingo a sua marca, “a marca da besta”.O seu sinal.

Verso 17: “Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou número do seu nome.”

Haverá então o momento em que ninguém poderá comprar ou vender sem confirmar que guarda o domingo, que é venerador do papa ou que se submete ao seu número.

Verso 18: “Aqui está a sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Ora, esse número é seiscentos e sessenta e seis.”

Muitos teólogos usam o título VICARIVS FILII DEI (SUBSTITUTO DO FILHO DE DEUS), usado pelos papas, para calcular o número da besta.

O verso nos declara que esse número é de homem. Sempre houve um homem no comando da Igreja Católica. O termo vigário significa substituto. O papa se considera o substituto do Filho de Deus na terra , por isso se intitula Vicarius Filii Dei .

Se somarmos os valores das letras desse título em algarismos romanos, teremos:

V = 5               F = 0              D = 500

I = 1                 I = 1               E = 0

C = 100          L = 50           I = 1

A = 0               I = 1              ______

R = 0               I = 1               501

I = 1                  _____

V = 5                  53

S = 0

______

112

112 + 53+ 501= 666

Nós pessoalmente achamos que esse número da besta se patenteará, isto é, será facilmente detectado quando se formar a união de todas as religiões sob comando papal, com o apoio dos Estados Unidos e outras nações poderosas.

Parece difícil acreditar que tudo isso vá ocorrer algum dia. Será que é exagero?

Depois de estudar as profecias e nos certificar pela história de que tudo o que foi profetizado com séculos de antecedência ocorreu assim como Deus previu, não fica difícil acreditar nas demais predições. Mais fácil será se ficarmos atento às notícias:

BENTO XVI RECEBE BLAIR.

“O Papa Bento XVI recebeu ontem o primeiro-ministro britânico Tony Blair no Vaticano. Esta é a primeira reunião entre o primeiro-ministro britânico e o Papa desde a chegada de Bento XVI ao pontificado. Em sua visita, Blair disse ao Papa que é necessário que os líderes religiosos trabalhem juntos para enfrentar o extremismo e o terrorismo.” Jornal Gazeta do Povo de Curitiba, domingo, 4 de junho de 2006.

“Os elementos mais conservadores do atual governo trouxeram a religião para assuntos de Estado de forma aberta e agressiva. Isso foi proibido pelos fundadores da nação americana, inclusive por Thomas Jefferson, e também está em conflito com a Bíblia. Jesus pede que se dê a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. Jimmy Carter, presidente dos Estados Unidos de 1977 a 1981, criticando o fundamentalismo do governo Bush.” Revista Veja, 25 de outubro de 2006, página 157.

É, parece que a coisa não está longe não!!!!!